19 de out de 2011

Superar-se

Depois de 12 anos de profissão, você começa a se deparar com novos desafios, novos horizontes e claro a se cobrar muito mais, porque o bom já não é o suficiente, agora você quer sempre o ótimo.
Tudo bem, muito bom isso, mas como chegar ao ótimo? Boa pergunta não é mesmo? Imaginei que sim.
O mais interessante que ao entrar nesse novo caminho tão almejado desde o começo de carreira, eu percebi que tudo que eu estudei, tudo que aprendi está agora consolidado e não é mais esse caminho que tenho que continuar seguindo. Eu mantenho tudo isso para eu usar sempre que preciso mais tenho que entrar em um novo caminho, uma nova linguagem.
Mas que linguagem é essa?
Agora esquece música, esquece engenharia de audio, contas, manifestação física, energia/ elétrica.
Agora começa a questão pessoal, o tato, a sensibilidade, a pré-disposição, agora é a hora do tal pulo do gato.
Ok. Feito! E como se ganha esse tal do pulo da Gato? Ja ouviram falar de horas de Voo? Sim, sobre pilotos de avião. Isso mesmo.
Porque esse mercado leva tão a sério as horas de um piloto? Experiência, know How, vivência. Ele já passou por coisas jamais feitas em um simulador. Coisas que ele foi adquirindo com o tempo e isso faz com que ele tenha seu "DNA" em sua profissão.
Na minha, eu vejo isso como a maneira que eu trago a sensibilidade para executar meu trabalho.
Eu tento conhecer as pessoas da qual vou trabalhar, entender o que elas já fizeram até hoje, como elas pensam e o que elas querem fazer hoje.
Eu não preciso que um guitarrista toque por muito tempo pra que eu faça o som de guitarra que ele quer, pois já conversamos antes, entendi como é a pessoa dele e as suas referências.
Eu não preciso passar instrumento por instrumento para que cada musico me fale o que ele quer, eu já entendi o que ele gosta de ouvir, de acordo com a pessoa dele e de suas referências.
Não é uma ciências exata e não é sempre que é simples assim, mas tenho que estar um paço a frente das pessoas que eu vou trabalhar para que eu optimize tempo e que o músico/publico/contratante se sinta confortável com o resultado do meu trabalho o mais rápido possível.
Não sei explicar ao certo o que eu penso ou que caminho eu percorro para me adiantar assim e fazer isso da maneira mais segura e mais rápida, acho que isso vem das horas de voo.
Isso começa lá trás na hora em que conheço as pessoas com quem vou trabalhar, com o papo, com o café tomado na estrada a caminho do show.
Não se bitole em teorias, em técnicas. Use isso pra somar o seu feeling, trabalhe fazendo algo que vá te deixar a vontade, confortável.
Cuidado com suas referências, com seu dia a dia. Tudo isso vem a tona na hora de você tomar decisões, na hora de você escolher seu caminho e no seu sub consciente para percorrer esse caminho.
Não é o que você fala, é como você fala, não é o que você faz, é como você faz.
Ouça muita música, ouça as pessoas. Preste atenção em todos ao seu redor.
Eu carrego um pen-drive e quando vejo um amigo com seu Not-Book eu peço a ele pra fazer uma pastinha com as músicas de sua referência e as que ele mais gosta.
Ouço todas, acabo conhecendo universos novos, referências novas.
No fundo, tudo é questão pessoal, tudo é como o ser-humano reage, como ele se sente com isso ou com aquilo.
Renan, no camarim da Hori antes de começar o Show.
No final de um trabalho eu ganhei uma experiência pessoal muito grande, com novas afinidades e amizades, junto a mais horas de voo em minha profissão.
Praticamente Psicologia pura!
Se entregue e curta seus resultados!
Bom trabalho a todos!!!

Um comentário:

  1. muito bom mestre é isso mesmo, parabens.by Dizan

    ResponderExcluir